Alesc debate mudança na lei esportiva de SC

0
81

A participação de atletas de outros estados em competições organizadas pela Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte) foi tema de uma audiência pública na Assembleia Legislativa. O debate, que ocorreu na manhã desta quinta-feira (15), teve como objetivo subsidiar o parecer do deputado Fernando Krelling (MDB). Ele é relator do Projeto 132/2018, de autoria do deputado Rodrigo Minotto (PDT), que prevê uma nova regulamentação para o setor.

Tema polêmico e antigo entre os desportistas do Estado, o assunto já foi alvo de várias legislações. O projeto atual determina que os competidores precisam ter dois anos de atuação em Santa Catarina, modificando a lei de 2017, que limitava vagas para atletas nascidos no Estado que competiam por outras unidades da federação ou àqueles que tivessem residido por dois anos em território catarinense.

Krelling solicitou a audiência pública por ser integrante da Comissão de Educação, Cultura e Desporto. “Antes de emitir o parecer, minha ideia é ouvir a comunidade esportiva, o Conselho Estadual de Esporte, os municípios, a  Fesporte e a Secretaria de Estado da Educação. As ideias virão. Nos bastidores a gente já sabe que há opiniões divergentes, mas isso tudo será importante para que se possa avaliar, fazer um estudo profundo e emitir esse parecer que, de uma vez por todas,  trará um caminho para o esporte catarinense”, avaliou o relator.

Um dos participantes do debate foi Rui Godinho da Mota, presidente da Fesporte. “Infelizmente, algumas decisões são tomadas sem ouvir o setor, o que acaba dificultando. Essa lei de 2017 nos trouxe problemas imensos, foi alvo de muitas discussões no Conselho Estadual de Desporto, para que a gente conseguisse adequar ao que previa a lei. Por isso, agradeço ao deputado Krelling por dar a oportunidade para que todos possam vir e falar. As coisas não podem vir decididas por lei sem ouvir as partes. Ele demontrou respeito ao esporte catarinense”, comentou.

Sobre o mérito do novo projeto, o dirigente mostra-se contrário ao teor. “Minha posição pessoal é que não possa haver limitação para os Jogos Abertos de Santa Catarina. Acredito que a competição tem que ser um dos maiores eventos esportivos do Brasil, se possível com campeões olímpicos, o que seria muito importante para dar visibilidade ao Estado.” Na opinião dele, se for para reservar vagas aos atletas nativos do Estado, o ideal é utilizar a Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc) e os Joguinhos Abertos, onde se construiria a base.

Técnica de ginástica rítmica com vários títulos de Jogos e Joguinhos Abertos, Maria Helena Kraeski defende a preservação de espaço para atletas catarinenses. “Nossos atletas precisam ter ‘espelhos’, mas ‘espelhos’ que estejam presentes. O que acontece hoje são atletas de fora que vêm, competem, ganham medalhas e vão embora.” Treinadora da equipe de Florianópolis, ela citou o exemplo de Luisa Matsuo, que fez sua carreira na capital catarinense e chegou à equipe nacional que conquistou três medalhas de ouro na ginástica durante os Jogos Pan Americanos de 2007.

Ao final da audiência, o relator reforçou o pedido para que os dirigentes, secretários municipais de Esporte e representantes de federações e fundações enviem seus posicionamentos sobre o assunto. A partir disso, Krelling vai definir seu parecer final.

Comente com o Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui